Título: "Para crescer é pricso inovar"
Data Inserção:29/09/2018 12:06:55 Veículo: Site - Jornal da Cidade - BH

Data Publicação: 28-09-2018 - clique aqui 26cm²

Pense verde antes de imprimir

Entrevista. Empresário à frente da ABIP mostra a importância da indústria da panificação para a economia do País e revela as tendências para o setor

O setor da panificação é um importante segmento da economia brasileira. Formado por mais de 70 mil padarias e confeitarias espalhadas por todo o Brasil, o segmento tem se reinventado ao longo da sua trajetória e revelado uma história de trabalho duro, criatividade e inovações que acompanham as tendências mundiais.

Neste cenário, a Associação da Indústria Brasileira da Indústria da Panificação e Confeitaria (ABIP) assume importância ímpar na coordenação e defesa dos industriais da panificação e confeitaria em todo o território nacional. À frente dessa associação está o visionário empresário mineiro José Batista de Oliveira.

José Oliveira é o nome mineiro no maior Congresso da Panificação, em Florianópolis. Como presidente da ABIP, organizadora do 31º Congrepan, ele foi o anfitrião que deu as boas-vindas aos mais de 900 empresários da indústria da panificação e confeitaria do País.

Nesta entrevista, José Oliveira conta mais sobre o setor e o evento. Confira:

JORNAL DA CIDADE Qual a importância da indústria da panificação e confeitaria para a economia do País?
José Batista de Oliveira A indústria da panificação e confeitaria está em expansão e movimenta um mercado de cerca de 2,2% do PIB nacional. O setor emprega mais de 2 milhões de pessoas (890 mil empregos diretos e 1.200 indiretos). No ano passado, o setor faturou R$ 90 bilhões.

Das 70 mil padarias espalhadas pelo país, mais de 90% são micro e pequenas empresas, grande parte investindo bastante para crescer. Este também é um mercado que está entre os seis maiores segmentos da indústria do Brasil e o segundo maior segmento de alimentos prontos do país, com participação de 36% na indústria de produtos alimentares e 6% na de transformação.

Qual o perfil do empresário da indústria da panificação?
O perfil é o do empreendedor trabalhador, que põe a mão na massa, que tem visão de futuro e está sempre se aperfeiçoando, buscando novidades, inovando. A maior parte é de micro e pequenos empresários que investem muito no seu negócio. É um segmento geralmente administrado e operacionalizado por membros de uma mesma família. São profissionais que começam o dia muito cedo e largam a labuta muito tarde.

Nos últimos anos, temos visto muita diversificação na linha de produção das padarias. Como o setor analisa essa tendência?
Para crescer é preciso inovar e estar sempre atento às demandas dos consumidores. As padarias têm investido cada vez mais em profissionalização e diversificação do mix de produtos. Temos verdadeiras grifes da panificação com mestres à frente das novidades. O mercado exige uma gama de itens que atendam às necessidades dos clientes que buscam itens fitness, veganos, vegetarianos etc.

Uma tendência muito forte atualmente é o resgate do passado. Sabe aquele pão feito pelas nossas mães e avós que tinham um tempo de produção bem demorado? A fermentação longa é uma tendência, tem ganhado vários adeptos nas padarias e conquistado muitos consumidores pelo sabor marcante. O processo de longa fermentação, espontânea ou induzida, surge em contraponto ao tempo de produção muito acelerado em diversas padarias.

Um dos objetivos do congresso é justamente mostrar que todas as padarias têm condições de produzir pães de fermentação longa.

Fale um pouco sobre o 31º Congrepan e quais as novidades deste ano?
O Congresso Brasileiro da Indústria da Panificação e Confeitaria (Congrepan) é um grande encontro do setor. Ele é realizado de três em três anos. Este ano vamos reunir mais de 900 empresários da panificação e confeitaria em um dos maiores centros de convenções à beira-mar, o resort Costão do Santinho, em Florianópolis, Santa Catarina. Este ano estamos reunindo mais de 900 empresários em uma programação intensa São quatro dias de uma programação intensa, com a rica participação de grandes nomes da panificação nacional e internacional.

Tivemos um cuidado muito grande na escolha dos especialistas que estarão presentes no congresso. Todos eles foram especialmente selecionados em função de suas áreas de atuação, por serem profissionais reconhecidos, de destaque, e que irão contribuir efetivamente com ideias e processos para as operações das padarias. Uma das premissas da nossa gestão à frente da ABIP é promover melhoria contínua, qualidade, mix; o congresso é uma síntese disso.

Na programação do Congrepan ainda estão sendo contemplados dois eventos do setor: 3º Congrejovem e o Congresso Interamericano de Panificação e Confeitaria – CIPAN.

Um dos painéis do 31º Congrepan trata da saudabilidade, qual a importância do tema?
A saudabilidade é fundamental e um dos assuntos-chave do encontro. Teremos um painel de extrema importância com este foco, ressaltando que hoje as padarias têm investido em produtos fitness, veganos, vegetarianos, diet, light etc. Nesta linha, o que se observa é um novo nicho se fortalecendo, como: abundância de grãos no pão e a presença da farinha orgânica na operação.

Inclusive o boulanger francês, chef Thierry Meunier, que hoje é considerado uma verdadeira grife, vai ministrar exatamente uma oficina com o foco na introdução da farinha orgânica na baguete. O objetivo do encontro é realmente uma discussão do que pode ser mudado para abrir ainda mais possibilidades para os empresários da panificação.

Imagem (1/1)

Reproduzido conforme o original, com informações e opiniões de responsabilidade do veículo.